Capítulo 17

Corpo de Mentiras

''Eu lembro-me de 1993 principalmente pelo o que aconteceu por trás das costas de Michael. Foi o ano em que o sonho perdeu o controle e todos pareciam impotentes para deter - ou boa disposição para deixar acontecer. A partir de agora, parecia haver esquemas, conspiradores e planejadores em todos os lugares, desencadeando uma cadeia de eventos destrutivos que poderiam afetar meu irmão para o resto de sua vida.

Fora de sua comunidade de fãs, não era mais sobre amar e valorizar o artista Michael Jackson; parecia ser sobre as autoridades e meios de comunicação cruelmente antecipando sua queda. Nem por um segundo a família pensou que o sucesso poderia traí-lo de tal maneira. Não era o tipo de lição que tinha sido ensinada na Universidade Motown e Michael não iria entender as forças com as quais ele estava indo de encontro até que ele visse o pesadelo frente à sua face. 

Nós tínhamos passado nossas vidas como os Jacksons tentando controlar nosso objetivos, estratégia, imagem e música: nós acordamos, um dia, para encontrar todo o inferno solto. São nesses momentos em que você percebe que, na vida, você nunca está no controle. Só Deus está - e a crença inabalável de Michael Nele o conduziu através da maior injustiça que eu já vi. 

Venice Beach é uma daquelas cidades descontraídas que eu sempre evitei por causa de suas multidões. É uma armadilha turística que atola-se nos fins de semana com seus artistas de mímica, médiuns, cães de palco, rappers, músicos e dançarinos, todos tendo sua chance no calçadão à beira-mar. Em um fim de semana, Wade Robson foi um daqueles artistas de rua, experimentando seus movimentos. Ele estava ao redor dos 10 anos de idade e ele, sua irmã e sua mãe Joy ainda eram convidados regulares em Neverland e tinham fixado residência em um condomínio ao oeste de Los Angeles. 

Michael tinha colocado Wade com Macaulay Culkin em seu vídeo Black or White, mas ele ainda era um rosto anônimo na multidão, especialmente em Venice Beach. Não havia nenhuma maneira que qualquer um soubesse quem ele era, e muito menos, ligasse ele ao seu mentor. Até, isto é, um "escritor freelancer'' chamado Victor Gutierrez esgueirar-se para sua mãe e explicar que ele estava investigando Michael Jackson por "ser um pedófilo''. 

Como ele sabia quem era ela? Joy tomou o seu cartão de visita e imediatamente ligou para o escritório de Michael. Era início do verão de 1992 - um ano antes de qualquer alegação formal ou investigação policial - e uma borboleta começou a bater suas asas perto da praia. 

Se ele ainda estivesse presente atualmente, Michael iria dizer-lhe que ele era cauteloso sobre as pessoas com as quais ele envolvia-se. Ele apenas orientou, cuidou ou alimentou talvez 10 ou 15 crianças ao longo dos anos. E isso, para ele, era sobre fazer boas ações aos olhos de Deus. Quanto mais ele estendia a mão para ajudar, mais ele estava praticando o que tinha sido ensinado para ele por toda a sua vida. 

Michael era filho de sua mãe. Todos nós somos: cada um de nós foi ensinado a ver o Bem em todos. Desde que minha mãe havia convidado os fãs a sentarem-se à mesa da cozinha enquanto nós nós estávamos em turnê como o Jackson 5, a nossa relação artista-fã era muito equilibrada. Mesmo em Hayvenhurst, nós estaríamos sentados à mesa de jantar quando a campainha tocava na porta - "Oi, estamos vindo da Austrália e nós estamos apenas aqui para ver a família." Joseph convidava a eles para juntarem-se a nós. 

Nós éramos provavelmente a única família em Hollywood com uma política de portas abertas e a ironia não perdeu-se em mim: não deixe que o mundo interior quando você está trabalhando em direção ao sonho, mas não deixe ninguém entrar uma vez atingido o sonho. Em nossas mentes, nós ainda éramos os caipiras de Gary, com cidadania temporária da Califórnia. Nós nunca queríamos perder o toque comum. 

Como a mãe sempre lembrou a nós, ''Não haveria Jackson 5 e não haveria Michael Jackson sem os fãs". Com isso em mente, talvez seja mais fácil ver por que Michael não era um típico homem urbano quando ele deixava as pessoas aleatórias entrar em sua vida. 

Um dia, em Maio de 1992, ele estava dirigindo ao longo da Wilshire Boulevard, Beverly Hills e o carro quebrou. Felizmente, havia um serviço de socorro nas proximidades para que ele pudesse contratar um veículo de substituição. O proprietário do negócio era um homem idoso chamado Dave Schwartz. Ele tinha uma jovem e atraente esposa chamada June, e ela tinha um filho de um casamento anterior: Jordie Chandler, com 13 anos de idade. 

No início, tudo parecia bem. Descobriu-se que o garoto era um grande fã de Michael - o menino foi levado para os escritórios de seu padrasto, com sua irmã Lily, antes que seu ídolo fosse embora. Michael aparentemente não gastou mais de cinco minutos com eles, mas foi dito que ele não teria que pagar por um carro, se ele pegasse o telefone de Jordie. Faria o dia do menino se ele ligasse em algum momento. Por Favor. Seria um sonho tornado realidade. A pressão sobre o meu irmão foi, aparentemente, educada, mas forte, e ele teria sido simpático porque aos 13 ele teria feito qualquer coisa para encontrar Fred Astaire.

Então, ele pegou o número do garoto, prometeu que ligaria e ele era um homem de palavra. Em algum lugar ao longo da linha, ele claramente sentiu-se confortável o suficiente para ficar em contato. Ele ligava para a mãe e o menino ao longo dos próximos meses, enquanto viajava. Antes que alguém percebesse, eles faziam parte de sua comitiva e fotos de imprensa que referiam-se a eles como a "família adotiva de Jackson''. 

Esses relatos passaram por nós, mas uma pessoa estava aparentemente muito feliz sobre isso: o pai do menino, o Dr. Evan Chandler. Ele era um dentista que não têm a custódia de seu filho, e que abrigava um sonho para tornar-se um roteirista. Ele já tinha tido uma ideia para uma história, o que iria evoluir para o filme de Mel Brooks, Robin Hood: Men In Tight, mas ele queria mais. Só uma coisa estava entre ele e seu Oscar: o dinheiro para financiar esse sonho. Mas seu filho agora parecia ser o novo melhor amigo de Michael Jackson e, como o dentista disse à sua ex-mulher - como ouvimos no tribunal, muitos anos mais tarde - a relação era "um meio maravilhoso para Jordie não ter que preocupar-se para o resto da a vida dele''. 

Michael tinha estado cada vez mais evitado o contato com o mundo exterior. Infelizmente, em conseqüência, ele afastou-se dos irmãos novamente. Nós sabíamos que ele ligava para a mãe e perguntava sobre nós, verificando que se estávamos bem, mas eu estava infeliz por ele ter escorregado de volta no modo ''sem comunicação''.

Dessa vez, em vez de deixar mensagens de telefone fúteis, eu enviei numerosas cartas, lembrando-o de sobre o que tínhamos combinado a respeito da família e como era importante que nós ficássemos juntos. Muitas dessas cartas foram enviadas na esperança cega que elas fossem repassadas e, em Abril de 1993, eu marquei aquele ponto escrevendo, "Eu enviei um monte de cartas para você. Eu espero que você tenha recebido''. 

Quando eu não recebi uma resposta, eu escrevi novamente, ''Eu realmente preciso falar com você sobre o nosso relacionamento. Eu sou seu irmão e eu sinto muito a sua falta''. No mês seguinte, eu escrevi novamente, ''Querido Michael, seria ótimo se você e eu apenas pudéssemos passar algum tempo juntos e apenas falar sobre as coisas... O que é importante para mim é nossa amizade, agora. Por favor, responda o mais cedo possível - Jermaine''. 

Mais uma vez, não houve resposta. Eu apenas continuei orando para que ele estivesse bem. Em Fevereiro de 1993 - em torno da época da grande entrevista de Oprah - Jordie Chandler, sua irmã e sua mãe foram convidados em Neverland. Às vezes, um monte de famílias hospedavam-se juntas. 

Tal como acontece com todos os outros pais, June, a mãe de Jordie, "nunca" teve um problema sobre o seu filho passar um tempo no quarto de Michael porque, como ela mesma disse, "era o quarto de um garoto... um grande quarto de um garoto, com muitos brinquedos e coisas'', e todos pareciam estar por lá. Ela, então, convidou Michael para ficar em sua casa em Santa Monica, o que ele fez por um total de 30 noites, nós descobrimos. Mesmo Dr. Chandler o recebeu e estava feliz por Michael ficar duas vezes em sua casa com seu filho; todos os três deles acabaram tendo uma luta de pistola d'água. Eu soube disso pelo que foi dito nas audiências. 

Com o tempo, Dr. Chandler estava claramente dando-se tão bem com Michael que ele pediu ao meu irmão para pagar uma reforma em sua propriedade. Felizmente, Michael teve o bom senso de evitar isso. Mas talvez tenha provocado o ressentimento do Dr. Chandler - um ressentimento que, uma vez surgido, aprofundaria-se enquanto Jordie esquecia de suas visitas de fim de semana ao seu pai para que ele pudesse ficar em Neverland, onde Michael tratava ele com presentes caros, viagens em jatos particulares da Sony com sua mãe e estadias em hotéis de cinco estrelas. 

Isso viria a ser deturpado como uma técnica de sedução'' para forçar um menor a respeitar as suas exigências sexuais''. Mas Jordie Chandler não estava sozinho em receber tal tratamento. Meu irmão sempre foi generoso com seus sobrinhos e sobrinhas. Ele permitia que eles tivessem quaisquer que fossem os brinquedos que eles gostassem de sua sala de jogos ou ele levava-os à ''uma caça'' na [loja de brinquedos] Toys R Us, onde eles fechavam a loja e ele dizia, ''Vão em frente! Comprem o que quiserem''. 

Para mim, a sua generosidade era o seu excesso de compensação para aqueles anos como uma criança quando ele só tinha conhecido a loja no Exército da Salvação; a sua maneira de retribuir algo que ele nunca tinha conhecido. Ele não apenas tratar o menino Jordie, no entanto. Ele comprou para a mãe, June, uma joia Cartier, um certificado de presente para a boutique Fred Segal no valor de $ 7.000 e ainda permitiu-lhe usar seu cartão de crédito para comprar duas bolsas de grife - e ninguém jamais acusou de tentar seduzi-la. 

Enquanto isso, quanto mais o tempo passava, Dr. Chandler ficava com raiva porque Michael tinha parado de chamá-lo; ele sentiu-se deixado de fora. De repente, ele disse que alguma coisa "não estava certa" sobre a relação de Michael com seu filho. Nenhum de nós poderia ter sabido qual seria o seu remédio e se o padrasto de Jordie, Dave Schwartz, não tivesse secretamente gravado uma conversa telefônica para proteger os interesses de sua esposa, nós nunca teríamos descoberto a verdade por trás do que aconteceu em seguida. 

Dr. Chandler - presumivelmente usando seu ''conjunto de palavras ensaiadas'', como ele disse - exigiria $ 20 milhões de Michael para financiar seus roteiros [US $ 5 milhões para cada um dos quatro roteiros]. Se Michael se recusasse a pagar, ele iria a público com alegações de que seu filho tinha sido molestado. 

Um mês antes, ele havia dito para Dave Schwartz na chamada que foi gravada. Foi uma extorsão que foi apresentada pessoalmente ao meu irmão em um hotel em 4 de Agosto de 1993. Michael, em última instância, recusou-se a pagar. Para um homem solitário que era - descobriu-se $ 68.000 em dívida - Dr. Chandler tinha confiança suprema em assumir o artista mais poderoso e mais rico na indústria. 

Talvez ele sentiu que não teria nada a perder, mas não soava como ele estivesse agindo sozinho. Como ele disse, 'Tudo está indo de acordo com um determinado plano que não é apenas meu... Há outras pessoas envolvidas que estão à espera para o meu telefonema que estão intencionalmente... em determinadas posições." Eu presumo que ele estava referindo-se à sua equipe de advogados, mesmo que ele só tenha sido aconselhado por um advogado. 

De qualquer forma, ele iria ficar com seu "plano". A partir de agora, o foco seria no espetáculo desse episódio, e não na ausência de fato. Ninguém quis ouvir quando a equipe do meu irmão reproduziu em uma conferência de imprensa a conversa gravada do Dr. Chandler. 

Ninguém quis ouvir, mesmo quando a sua motivação maliciosa deparava-se com alto e bom som: "... isso é tudo como eu o considero [a Michael]... como um mecanismo para obter atenção. Vai assumir tanta dinâmica própria que vai estar fora de todo o nosso controle. Vai ser monumentalmente enorme..." ''...Quero dizer, poderia ser um massacre, se eu não conseguir o que eu quero...'' ''...Michael tem que estar lá. Ele é o principal. Ele é o único que eu quero. Ninguém nesse mundo foi autorizado a entrar nessa família. Se eu passar por isso, eu ganho grande tempo... Vou começar tudo que eu quero, e eles serão destruídos para sempre.'' ''Michael Jackson... vai ser humilhado além da crença. Você não vai acreditar. Ele não vai acreditar o que vai acontecer com ele... além de seus piores pesadelos... ele não vai vender mais nenhum disco.'' 

O áudio onde Evan Chandler 
assume o seu crime de extorsão
video

Um pai estava usando seu próprio filho para extorquir dinheiro. E as pessoas perguntavam-se por que Michael estava tão interessado em dar amor às crianças. Michael estava na Tailândia na etapa asiática de sua Dangerous World Tour quando a polícia invadiu Neverland com mandados de busca e um serralheiro. Nós não descobrimos até dois dias mais tarde, quando apareceu no noticiário de televisão. Nós não tivemos meios de contato com ele imediatamente, mas nós agradecemos a Deus que Bill Bray estava com ele porque ele era tão bom quanto se a família estivesse lá.

Tudo o que nós poderíamos fazer era ficar à margem e ver o pesadelo desdobrar-se. Quando Michael recusou-se a pagar, o dentista levou seu filho a um psiquiatra para discutir abuso sexual infantil. O procedimento padrão levou a uma chamada para o Departamento de Crianças e Serviços Familiares (DCFS), o que levou ao Departamento de Exploração Sexual Infantil da Polícia de Los Angeles (LAPD). A glória dos caçadores cheirava a sangue.

Em seguida, aconteceram duas coisas. Dr. Chandler começou uma ação civil de $ 30 milhões, citando exames na criança, sedução e negligência. Ao mesmo tempo, uma investigação criminal foi lançada, supervisionada por dois procuradores distritais: Tom Sneddon para o condado de Santa Barbara e Gil Garcetti para Los Angeles. Foi quando um comboio da LAPD chegou em Neverland, procurando por provas. Eles deixaram com nada mais do que recordações.

Não havia nada sutil sobre o ataque: a polícia estava empolgada como qualquer outra pessoa que entrasse em contato com o mundo de Michael. Um dos maiores artistas da América estava sendo tratado como um dos mais procurados da América. Dias depois, eles também procurou no condomínio em Century City, mas Michael ficou verdadeiramente devastado quando procuraram em Hayvenhurst porque ele não queria trazer problemas para a porta de mãe.

Felizmente, ela e Joseph estavam tão longe e foram poupados da provação enquanto a polícia passava por armários de medicina, perguntando o que era isso e aquilo, e para que servia. Eles arrombaram um cofre no antigo quarto de Michael e o encontraram vazio, mas apreenderam notas e manuscritos particulares, o que acabou por ser suas letras rabiscadas - as sementes de suas ideias. Essas notas não foram devolvidas e, no entanto, ao longo dos anos, eles apareceram em revistas.

Em todas as três propriedades, a polícia não encontrou nada, mas chegou através de advogados a notícia de que os agentes acreditavam que Michael ''se encaixa no perfil das características de um pedófilo'' porque ele usava palavras como "puro" e "inocente" e ele preferia atividades ''próprias de crianças'' e comprava presentes para os meninos. Foram dias de verdadeiro trabalho de detetive, passando pela pseudo-análise de um modelo teórico. Ninguém olhou na essência do meu irmão, seu caráter ou o que ele tinha feito para as pessoas. 

Enquanto isso, Jordie Chandler - agora sob o controle de seu pai - tinha jurado um depoimento que construia uma falsa imagem de alegações íntimas e descrições do corpo do meu irmão. Armado com esse testemunho, dois detetives apareceram com uma câmera de fotos e uma câmera de vídeo para submeter Michael ao que ele justamente descreveu como "uma desumanizante e humilhante" revista corporal. Ele foi obrigado a passar por isso porque a recusa ''indicaria culpa", disseram para ele.

Uma vez que havia despojado a ele de sua dignidade, Michael foi colocado nu em um quarto e levantaram seu pênis para que ele e seu escroto pudessem ser fotografados de frente, à direita e à esquerda. Quando ele virou-se para ter suas nádegas, peito e costas fotografados, um detetive ficou com um bloco de notas, anotando todos os detalhes. Nenhuma das marcas no corpo de Michael combinava com a descrição do garoto. Na verdade, a imaginação não tinha qualquer semelhança com a realidade.

Quando nós éramos crianças crescendo em Gary, nós tínhamos acreditado no Sonho Americano - que cada cidadão, negro ou branco, tem a liberdade para perseguir oportunidades e merece o sucesso; que a auto-motivação seria recompensada. Nós tínhamos acreditado na "Terra da Liberdade, Casa dos Bravos'' - ​​que se você ganhasse sua prosperidade, você seria aclamado como um exemplo do que faz a América grande. Era uma crença ao longo da vida desvendando a cada minuto.

A questão nunca mudava e os anfitriões a colocavam para Michael em cada entrevista de televisão que ele concedia. "O que um homem adulto faz dormindo em uma cama com as crianças?'' Eu ainda posso ver Diane Sawyer da ABC e Martin Bashir da BBC esforçando-se para compreender a lógica das ''festas dos pijamas'', esse hábito ao qual Michael oferecia-se voluntariamente e nunca sequer tentou esconder.

Foi interessante para mim que a questão nunca foi porque Michael compartilhava de sua cama com crianças: foi que sempre posou com a conotação sexual do ''dormir com''. Especialmente quando era sobre entrar na cama com leite quente e biscoitos e colocar um filme.

A menos que você conhecesse Michael, é difícil transmitir-lhe a confiança e compreensão inata para as festas do pijama, porque a resposta simples para a pergunta - que era sobre a doação de amor e fornecer afeto - imediatamente corre para uma parede de suspeitas de que não tem nada a ver com Michael e tudo a ver com a preocupação moderna sobre abuso infantil. Hoje em dia, pais em pânico veem perigo o tempo inteiro.

Eu gostaria apenas de perguntar: quem é o homem em sua família ou em seu círculo em quem você confiaria implicitamente com o seu filho? Aquele homem que você diria ''eu confio nele com a minha vida". Porque esse homem era Michael para nós, e para todos os pais que confiaram o seu filho ao seu cuidado; pais que não gostam de estranhos na televisão ou nos jornais dizendo-lhes o que era apropriado para seu filho.

Preocupa-me que nossas mentes têm se sobreposto aos nossos corações, e os receios e estigmas e um coberto de julgamentos agora ficam no caminho do amor básico sendo expresso às crianças. Se nós sabemos que um homem compartilha a cama com uma criança, e nós ignoramos os méritos daquele indivíduo e saltamos imediatamente para o pensamento suspeito, onde é que esse mundo vai parar?

Mas, além disso, também era enganoso em concentrar-se que Michael compartilhava a cama apenas com meninos. As meninas brincavam em seu quarto e saltavam para essas mesmas camas - como Chantal Robson ou Marie-Nicole Cascio ou as irmãs de Macaulay Culkin e Brett Barnes. Eu sei também que alguns dos pais juntavam-se com seus filhos e filhas e Michael na cama e aconchegavam-se para assistir a um filme com pipoca.

Era, por vezes, como aquela canção de ninar "Havia dez na cama, e o pequeno disse, vamos rolar, rolar...'' Era sobre estar com as crianças que tiveram a inocência para aceitá-lo por quem ele era; com as crianças cuja presença trazia conforto e, provavelmente, o levava de volta aos dias compartilhados com Marlon e os irmãos em uma cama de beliche.

Eu gostaria de saber quantas pessoas têm considerado que Michael tinha uma ansiedade sobre estar sozinho em seu quarto e que foi por isso que ele o preenchia com manequins, e com crianças que não pediam nada dele. As pistas reais sobre os reais motivos dele abrir seu quarto para as crianças estavam sempre lá, mas outros iriam escolher para ver o que eles queriam ver.

Eu também gostaria que as pessoas pudessem ter visto como as crianças eram naturalmente magnetizadas para ele. Os três filhos de Tito, em conjunto com os meus filhos, puxavam Michael em torno de ambos, Neverland e Hayvenhurst, seguindo-o como patos, no andar de cima, no andar de baixo, para a cozinha, e até mesmo ao banheiro, o que dava crises de riso em Michael. Ironicamente, a pessoa que melhor resumiu esse "ímã" humano foi June Chandler quando, em 2005, ela disse aos tribunais que ela tinha dito uma vez para Michael, ''Você é como Peter Pan. Todo mundo quer estar em torno de você e passar 24 horas''.

Como uma família, nós fomos para frente das câmeras em uma conferência de imprensa em North Hollywood. Foi um show deliberado de força em um evento pré-agendado para anunciar um especial de televisão na NBC, The Jackson Family Honours - uma celebração para honrar o trabalho humanitário do Sr. Gordy e Elizabeth Taylor, que era, até agora, uma presença constante e fonte de conforto na vida de nosso irmão.

A mãe tinha falado com Michael no telefone e todos haviam concordado que "o show deve continuar", com o nosso especial de televisão e sua turnê Extremo Oriente, embora sabia-se que ele estava lutando. Bill tinha-nos dito que ele estava "doente no estômago, mas mantendo-se forte." Nós suspeitamos que sua tranquilidade foi para tranquilizar-nos. O tema humanitário do nosso show forneceu uma plataforma para nós demonstrarmos solidariedade. Cada uma das minhas cartas não respondidas agora parecia irrelevante; tratava-se de gritar a verdade, enquanto a mídia convidava ex-funcionários para contar suas alegações mais selvagens, induzidas por grandes pagamentos de seis dígitos e quanto maior a alegação, maior seria o cheque.

Nota do blog: O pintor David Nordahl contou sobre como jornalistas lhe procuraram para inventar histórias negativas sobre Michael, e lhe ofereceram muito dinheiro por isso, o qual obviamente, ele recusou. Leia mais aqui

Eu soube que Joy Robson, a mãe de Wade, foi abordada pelo National Enquirer e ofereceu uma quantia de seis dígitos para que ela mudasse a história "para dizer que Michael havia molestado seu filho''. Felizmente, uma pessoa como Joy tinha escrúpulos e ela, como qualquer outro pai e filho que tinha passado um tempo em Neverland, não corroboraria as afirmações de Dr. Chandler ou qualquer outra pessoa, mesmo quando a polícia piorou o quadro de forma intencional. Um xerife investigando foi escutado na fita - como nós ouviríamos em 2005 - dizendo a uma criança testemunha sobre Michael: 'Ele é um molestador... grande cara, faz boa música, que merda....''

Enquanto a mídia dos EUA e Reino Unido assinavam cheques para mudar a vida [de algumas pessoas], havia uma corrida tipo ''enquanto durarem os estoques'' para essa temporada de caça à reputação do meu irmão. Com tudo o que nós temos aprendido ao longo dos anos, é difícil para nós não vermos essa perseguição policial da mídia atrás de Michael como a linha de partida para uma campanha hostil concebida a fim de provocar a sua queda.

Naquela época, meus olhos eram menos abertos enquanto a mãe, Joseph, Rebbie, Tito e eu pegávamos os nossos lugares em poltronas de couro no palco em North Hollywood. Eu pensei que a transparência do processo tornaria-se óbvia quando especialistas de televisão parassem para refletir. Eu levei esse otimismo na conferência de imprensa enquanto nós enfrentávamos um monte de empurrões de lentes e câmeras de televisão. Não muito diferente da Jacksonmania, só que sem o amor. Enquanto a sala ecoava com o som dos flashes das câmeras, eu só conseguia pensar, ''se isso é intenso para nós, que diabos pobre Michael estará passando em Cingapura?''

Quando tudo acalmou-se, eu falei por todos nós: ''Michael foi feito uma vítima em uma tentativa óbvia e cruel para tirar proveito de sua fama e sucesso. Nós sabemos, assim como todo o mundo, que ele dedicou sua vida a fim de fornecer felicidade para os jovens em todos os lugares. Sua compaixão é lendária e nós estamos confiantes de que a sua dignidade e humanidade vai prevalecer neste momento difícil."

Depois disso, houve apenas um lugar para estar: Joseph, Rebbie e os irmãos começaram a fazer planos para juntar-se a Michael em Taiwan. Fora do hotel onde ele estava hospedado em Taipei, as primeiras pessoas a saudar-nos foi um grupo de jovens animadamente dizendo para nós como eles tinham seguido Michael ao redor da Ásia a cada passo do caminho. Os ''Soldados do Amor'' de Michael estavam por todo o mundo; um exército permanente, ombro a ombro, nunca duvide deles. Tão isolado como ele pode ter sentido, por vezes, Michael nunca esteve sozinho quando tratava-se de amor, apoio e milhões acreditando nele.

Elizabeth Taylor tinha juntado-se a ele antes que ele saísse de Cingapura. Fora de todos os seus amigos, ela e Marlon Brando tinham permanecido constantes. Elizabeth tinha um vínculo único com meu irmão e ele encontrou sua ''brincalhona e espirituosa''. Seu ambiente comum era o estrelato infantil. A conexão deles foi construída no respeito, lealdade e amor, e ela estava sempre lá para ele.

No hotel, nós não vimos imediatamente Elizabeth porque a primeira pessoa que nós encontramos foi o assessor de Michael, Bob Jones, a quem nós tínhamos conhecido desde os nossos dias na Motown e naquela primeira viagem para a Austrália. Ele havia juntado-se a Michael quando ele saiu em carreira solo. Meu problema com Bob foi que, com ou sem razão, eu senti que ele fazia parte da barreira para nossa comunicação direta com Michael.

As comitivas de Hollywood passam seus dias em pé na frente do artista - muitas vezes sem o artista saber - mas eu estava amaldiçoado se o escudo seria usado contra nós depois de nós termos viajado meio mundo para apoiar o nosso irmão, que sabia que nós estávamos chegando naquele dia. Quando Bob explicou que ''agora não é um bom momento... Michael está dormindo'', eu perdi a paciência e a conversa transformou-se em uma disputa. Eventualmente, eu tinha o suficiente. ''Bob, saia do meu caminho... você não diga para nós quando podemos ou não ver o nosso próprio irmão", eu disse.

"Eu estou apenas fazendo o meu trabalho, Jermaine." Ele deu um passo para um lado.

Com certeza, a tática de bloqueio de Bob era falsa. Nós batemos na porta de Michael e entramos. Ele estava feliz em nos ver, apesar de nós estarmos um pouco surpresos com o que confrontamo-nos: Ele estava sentado com um gotejamento intravenoso que vinha de uma bolsa acima de sua cabeça, ligado ao pulso.

''O que está acontecendo?", disse Jackie, protetor como sempre. Ele andou até a bolsa, sem dúvida, para confirmar que era soro fisiológico.

Michael explicou que ele entrou em colapso antes de seu show começar em Cingapura; o show tinha sido cancelado. O médico, que também estava no quarto do hotel, disse-nos que ele estava sofrendo de "desidratação"; Michael ainda estava lutando e eles estavam preocupados com sua circulação sanguínea e...

Ele continuou falando e eu parei de ouvir, porque eu estava assistindo Michael, que parecia o mais triste que eu já o tinha visto antes de entrar no palco. Normalmente, ele estaria focado e energizado. Agora, ele parecia esgotado, sentando-se como um daqueles corredores de maratona exaustos na linha de chegada, desesperado por líquidos - e ainda assim, ele tinha um programa de 90 minutos pela frente.

"Eu estou estressado, isso é tudo", ele disse, "eu só preciso de líquidos." Seus olhos, que geralmente eram sorridentes, estavam nublados; ele tinha perdido um monte de peso. Michael não era muito de alimentar-se ao longo dos tempos, mas quando ele estava estressado, simplesmente parava de comer. Meu palpite era que ele não tinha comido ou dormido por cerca de uma semana, com base em como emocionalmente abalado ele parecia.

Procuradores e comentaristas da mídia queriam saber se Michael estava "fazendo-se de vítima'' perante o público, ainda que o homem que eu vi em particular parecia estar usando cada tendão para conseguir manter-se em pé. Eu não vi um homem dobrar-se ou pedir compreensão, não até aquele corpo debilitado que viria dois meses depois. Fisicamente, estava claro que o calvário estava tomando seu pedágio, mas seu espírito era indomável.

Antes de nós sairmos, nós lembramos a ele que nós estávamos lá para apoiá-lo, e dissemos que nós iríamos voltar no dia seguinte. Foi o que nós fizemos. Nós dissemos a ele que ele iria superar isso. Nós dissemos aquelas coisas que os irmãos dizem, mas o resultado da investigação não parecia preocupá-lo demais. Em vez disso, no dia seguinte quando nos encontramos, ele parecia preocupado com outro quebra-cabeça. "O que eles estão tentando fazer comigo? Por que você acha que isso está acontecendo?", ele perguntou em voz alta.

Como uma família, nós sentimos que a nossa solidariedade era inquebrável. Enquanto nós estávamos de pé como um só, tínhamos a certeza de que a justiça prevaleceria. Por isso, quando La Toya apareceu na televisão a partir de Tel Aviv para denunciar Michael, parecia estar presa em uma encruzilhada. "Michael é meu irmão", ela disse, "e eu o amo muito, mas eu não posso e não vou ser uma colaboradora silenciosa de seus crimes contra crianças pequenas."

Eu observei aquela conferência de imprensa e sua entrevista de acompanhamento com a NBC na manhã seguinte, e não pude acreditar o quão livremente ela estava falando na câmera, aparentemente de improviso. Perante o público, a entrevista de La Toya parecia uma condenação contundente e convincente, mas nós conhecíamos nossa irmã e o tipo de linguagem que ela usa normalmente.

O momento em que ela disse que a mãe tinha referido-se a Michael como "um veado maldito'', nós soubemos a verdade: foram palavras plantadas de seu gerente-namorado Jack Gordon que, de acordo com La Toya, teria ameaçado a ela se ela não dissesse o que ele queria. Não sou eu quem conta essa história. É La Toya, e ela compartilhou sua versão dos fatos em seu próprio livro, Starting Over. A principal coisa a saber é que Michael e o resto da família, perdoaram a ela.

Cerca de dois meses depois, em novembro, apenas quando nós pensamos que a vida não poderia ficar muito pior, nós ouvimos que Michael havia sofrido algum tipo de colapso e foi levado em reabilitação na Inglaterra. Pareceu-nos que seria o momento para saber sobre o que estava acontecendo, mas nós sabíamos que Elizabeth Taylor, Bill Bray e Karen Faye estavam com ele e ele estava cancelando o resto de sua Dangerous World Tour. Ele havia deixado a Cidade do México e voado para Londres. Era óbvio que, no momento, desde que nós o tínhamos deixado, seu estado físico e mental haviam deteriorado-se.

Michael tinha desenvolvido uma dependência do seu analgésico prescrito, Demerol. Com todo o sofrimento que ele estava passando sobre as falsas acusações, ele estava bastante afetado. Um médico havia reconhecido o que estava acontecendo e agora Michael teria que enfrentar um programa de reabilitação de seis semanas sob os cuidados profissionais do Dr. Beechy Colelough.

Inevitavelmente, o momento levou a acusações de que esta teria sido uma manobra cínica para atrasar o processo legal. Sempre pareceu-me que, quando Michael estava vivo, todo mundo fazia questão de dizer que ele estava fingindo essa condição, no entanto, quando ele estava morto, eles estavam felizes em chamá-lo de "um viciado".

Nós sabíamos que Michael estava tomando Demerol desde que ele foi queimado em 1984. Eu sei pouco sobre o seu tempo em uma clínica de reabilitação, por isso, eu não posso falar sobre isso aqui, mas não é certo que certas impressões continuem a persistir, especialmente quando as pessoas rotulam a ele como ''um viciado''.

Há um mundo de diferença entre alguém tornar-se um viciado devido às más escolhas e alguém acidentalmente tornar-se dependente de um medicamento prescrito. Michael era veementemente contra drogas e foi devastado para encontrar-se preso em uma dependência causada principalmente por efeitos colaterais da medicação. Eu li relatos de que em certa ocasiões, seu discurso era arrastado e ele aparecia com olhos vidrados e "chapado''. Mas talvez o que poucos têm considerado é que Demerol, para o melhor de meu conhecimento limitado, afeta o sistema nervoso, bloqueia a dor e cria uma sensação não muito diferente de um ''chapado''.

Em 1997, Michael escreveu uma canção chamada Morphine, que ridicularizava a histeria que envolvia essa questão. Os versos - "Demerol / Demerol / Oh Deus ele está tomando Demerol" - dizem tudo. Essa música foi a sua resposta aos críticos 12 anos antes de morrer. Infelizmente, nunca seria a palavra final, mas ele era um homem que padecia de dor desde 1984, causada por um terrível acidente.

Em seguida, ele foi diagnosticado com lúpus, que por si só pode causar dor incalculável. Eu não posso falar sobre isso porque eu não sei como o quadro crônico pode ser, mas há, aparentemente, mais de dois milhões de americanos que podem. E tudo o que Michael sempre quis, foi que a dor - interna e externa - fosse embora.

Quando Michael finalmente voltou para a América, estável após sua temporada na reabilitação, a sua saúde e bem-estar eram de suma importância para todos, mas as coisas não pareciam promissoras. Primeiro, ele estava na intensidade dos holofotes da mídia. Em seguida, ambos procuradores da República decidiram convocar júris na busca de uma acusação. Michael foi inflexível a respeito de querer limpar seu nome, mas não parecia que ele estava andando em grandes Tribunais de Justiça da Califórnia; era mais como se ele estivesse sentado nas mesas em Las Vegas e apostando nos jogos de azar sua liberdade e carreira. Pelo menos, era assim que sua equipe enxergava.

Mas aqui está o que a maioria das pessoas não sabe: a escolha pessoal de Michael era de assumir o risco e ir a julgamento - um processo penal com pena de prisão, não um julgamento civil com a possibilidade de prejuízos financeiros. Foi assim que ele estava confiante de sua própria inocência. Ele até mesmo instruiu seus advogados para apresentar uma moção a fim de adiar o processo civil, para que o julgamento criminal pudesse ir em frente, colocando o "para além de qualquer dúvida razoável" antes de ''o equilíbrio das probabilidades". Dessa forma, uma absolvição enfraqueceria seriamente a ação do Dr. Chandler.

Mas, em Novembro de 1993, um juiz negou aquele movimento porque nenhuma acusação tinha sido levada. Em vez disso, ele permitiu um julgamento rápido para o caso civil, porque ninguém queria que a memória do menino se desvanecesse e a data do julgamento foi marcada para março do ano seguinte. Essa decisão mudou tudo: se a ação civil foi contra ele, como ele poderia esperar um processo penal equitativo?

Nessas circunstâncias, não foi nenhuma surpresa quando uma decisão foi tomada para resolver o caso fora do tribunal. Esse pagamento - foi dito estar em torno de US $ 15 milhões de euros - não era suborno e não era sobre batota justiça porque a justiça estava traindo Michael. Foi, no mínimo, a respeito de salvá-lo de uma paródia de justiça. As pessoas esquecem que as seguradoras que regem a sua responsabilidade pessoal também estavam envolvidas nessa decisão. Lembre-se, a intenção de Michael era lutar nesse caso. Nas circunstâncias em constante mudança, e em meio a todos os tipos de outras propostas jurídicas, uma decisão da equipe foi feita para resolver, mas aquele acordo declarou por escrito que o pagamento não era uma admissão de culpa.

Outro mito que precisa ser desmascarado é que Michael comprou o silêncio dos Chandlers com esse dinheiro: o acordo apenas impedia os Chandlers de falar com a mídia; isso não os impedia de depor em qualquer futuro processo penal, como o tempo provaria. Esse acordo foi a única maneira de acabar com o pesadelo rapidamente. Na época, parecia a melhor escolha entre opções ruins - e Dr. Chandler realmente não foi o vencedor, porque foi dito que ele e sua esposa receberam apenas cerca de $ 1,5 milhões cada um no acordo, com o restante indo para o menino, Jordie - que cresceu para tornar-se alienado de seus pais.

Em Novembro de 2009, quatro meses após a morte de Michael, Dr. Chandler, em seguida, 65 anos, foi encontrado morto em seu apartamento em New Jersey. Ele havia disparado uma pistola contra a cabeça e foi encontrado deitado, com a arma na mão.

No início de 1994, e depois de gastar milhões de dólares, convocando dois Grandes Júris e falando com mais de 150 testemunhas, incluindo todas as crianças que tinham passado um tempo em Neverland, o Departamento de Exploração Sexual Infantil da Polícia de Los Angeles (LAPD) e o promotor Tom Sneddon admitiram que não havia nenhum caso para responder. Infelizmente Sneddon recusou-se a encerrar o caso. Estava, ele disse, ''em suspenso", deixando a porta aberta para qualquer um que viesse para a frente no futuro. A mídia não iria parar sua busca, também.

Dois anos depois, em 1995, minha companheira Margaret recebeu um telefonema de uma amiga jornalista avisando-nos que um boato estava circulando sobre uma fita de vídeo "secreta". "E o que esperava-se encontrar nessa fita?", eu perguntei.

''Michael no chuveiro... com Jeremy", disse ela. Nosso filho. O sobrinho de Michael. Eles estavam imprimindo uma história dizendo que Michael pagou-nos para ficar em silêncio. Nós só poderíamos entrar em desespero, sem saber se gritávamos pela verdade ou se gritávamos com a loucura de tudo isso.

Nossos advogados imediatamente fizeram National Enquirer compreender que se eles publicassem a primeira frase dessa mentira, a mesma seria encerrada dentro de uma semana. Pela primeira vez, eles ouviram.

Infelizmente, os produtores de um programa de televisão sensacionalista chamado Hard Copy - a.k.a.
Soft Facts - publicaram uma reportagem sobre uma fita de vídeo que tinha sido encontrada e sua correspondente Diane Dimond, sem fôlego, relatou aos espectadores e, mais tarde, a estação de rádio KABC-AM disse que a polícia iria rever o caso contra Michael. Na mesma semana, LAPD confirmou que não existia nenhuma fita de video.

Foi descoberto que a fonte dessa mentira não era outro senão Victor Gutierrez, o escritor freelancer de Venice Beach. A equipe legal de Michael lançou uma ação judicial por difamação. Um juiz e júri consideraram que a história era falsa e maliciosa, e premiaram meu irmão com $ 2,7 milhões dólares em danos. Gutierrez entrou em falência e fugiu para o México. Mas, apesar dessa pequena vitória, eu acho que eu sabia então, por trás da minha mente, que toda esta saga nunca acabaria.

Com o horror de 1993 atrás dele, um Michael vindicado seguiu em frente. Ele tinha resolvido não mudar sua filosofia de vida ou suas atitudes em relação às crianças com base em uma experiência com uma família. Em sua mente, o amor nunca renderia-se ao ódio. Ele confiou no que estava em seu coração, e que Deus sabia a verdade. Ele não permitiu que esses eventos manchassem o seu amor pelas crianças e ele não permitiria que influências externas remodelassem quem ele era. Isso é força, não fraqueza. Ele colocaria determinadas garantias: ele nunca novamente dividiria a cama com uma criança, e ele não estaria sozinho em um quarto com uma delas. Pelo contrário, Neverland continuaria a operar em suas bases de confiança, amor e caridade.

The Jackson Family Honours aconteceu em Fevereiro de 1994, no MGM Grand em Las Vegas. Nós queríamos, em específico, Oprah Winfrey para sediar a noite. Como a única pessoa que tinha dado a Michael uma simpática plataforma de televisão quase um ano antes, parecia apropriado que ela deveria recebê-lo em uma noite que era tudo sobre a humanidade. Em Dezembro de 1993, ela juntou-se ao presidente Bill Clinton na Casa Branca para apoiar uma nova lei contra abusadores de crianças, a Lei Nacional de Proteção à Criança.

Agora, nós pensamos, ela poderia alinhar ao lado de Michael, o maior campeão das crianças, e declarar seu apoio. Nos ficamos surpresos ao ouvir a sua recusa, dizendo que ela não achava que ela seria uma boa anfitriã, mas ela desejou-nos boa sorte. Foi uma pena - nós sabíamos o quanto ela amava Michael - mas não impediu a ocasião. Quando ele entrou no palco, todo o auditório deu-lhe uma ovação de pé que deve ter durado para além de 10 minutos. Foi maravilhoso vê-lo no palco parecendo tão revitalizado e saudável depois de todas as besteiras. Ele estava radiante e feliz.

Movendo-se em 1994, havia uma boa razão para ele sentir-se no topo do mundo, porque ele tinha finalmente encontrado a sua verdadeira contraparte em uma mulher: alguém que tinha tido uma infância restritiva, não ficava impressionada com sua fama, tinha experimentado viver sob holofotes e não precisava dele pelo seu dinheiro. Alguém que absolutamente compreendia o seu mundo e não precisava de nada dele, mas amor. Lisa Marie Presley preenchia os requisitos.''